A ansiedade e sua influência no dia-a-dia

04/06/20190
1200-2.png

Quem nunca esteve ANSIOSO antes de um encontro? Ou antes de uma entrevista de trabalho?

A ANSIEDADE é uma emoção normal do ser humano, comum ao se enfrentar algo que saia da sua rotina. No entanto, a ansiedade excessiva pode se tornar uma doença, ou melhor, um distúrbio de ansiedade. Tudo começa a parecer mais perigoso, difícil e preocupante, mesmo aquelas coisas que não representam riscos reais.

Antes de qualquer coisa, vamos entender exatamente o que é a ANSIEDADE!

Segundo o Manual de Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-5), o sentimento de ansiedade é a antecipação ameaças futuras. Está associada ao medo e gera sensação de tensão. Além disso, quando estamos ansiosos, começamos a nos comportar com cuidado, buscando fugir da sensação desagradável, assim procuramos evitar alguns ambientes, atividades, pessoas e coisas que nos causam temor.

Alguns casos acontecem em maior frequência e persistem por maior tempo, quando isso acontece, deixam de ser considerados adaptativos e se tornam sintomas do chamado transtorno de ansiedade. Pessoas que passam por essa condição, as situações do dia-a-dia passam a envolver extremo estresse e tensão física e psicológica.

Ansiedade X Medo

Ansiedade é uma resposta emocional provocada pelo medo. Porém, o medo clássico é aquele que sentimos quando percebemos perigo ou a necessidade de fuga, por exemplo, é algo momentâneo.

Já a ansiedade é diferente, é uma sensação constante de medo, é a antecipação de ameaça futura.

Sintomas da ansiedade

A ansiedade pode causar sintomas tanto mentais quanto físicos que atrapalham o dia-a-dia de diversas formas.

Sintomas psicológicos da ansiedade:

  1. Enxergar perigo em tudo

Pessoas com transtorno de ansiedade superestimam o perigo nas situações que temem ou evitam. O medo ou a ansiedade são excessivos ou fora de proporção. Existem várias pessoas que não viajam de avião porque têm medo de acidente aéreo, já até imaginam a cena de luto.

  1. Insônia

Sentem dificuldade para dormir ou apresentam episódios de insônia em vésperas de reuniões importantes e eventos. Não conseguem se desligar do que fizeram ao longo do dia no trabalho e passam a noite processando o que farão no dia seguinte.

  1. Preocupar-se em excesso

Estão sempre preocupados com o futuro, ainda mais em épocas de crise econômica, é comum ver pessoas preocupadas com a manutenção do emprego. A preocupação excessiva é uma fonte direta de dores de cabeça, úlceras, ansiedade e stress, podendo inclusive afetar o sistema imunológico.

  1. Ataques de nervo

Irritabilidade, mudanças de humor repentinas e sem explicação aparente. Pessoas que estão a ponto de entrar em um ataque de nervos, podem passar da euforia ao pranto rapidamente. Esses sintomas surgem em momentos de maior pressão e stress, por exemplo, quando há a perda de um emprego ou de um ente querido.

  1. Medos irracionais

Medo de estar perdendo alguma coisa, de não ser bom o suficiente, medo do fracasso, pânico de ficar sozinho ou de não ser aceito também perseguem pessoas ansiosas. Campeões de autocrítica, são os primeiros a não se sentir capazes o suficiente para concluir uma determinada atividade. O excesso de medo pode comprometer a segurança nas relações pessoais, seja no trabalho ou na família.

  1. Inquietação

Dificuldade de concentração, inquietação e fadiga. O indivíduo apresenta uma angústia intensa, não consegue ficar quieto, caminha de um lado para o outro, desespera-se.

  1. Pensamento obsessivo

É uma incapacidade de ganhar controle sobre pensamentos e imagens, angustiantes e recorrentes. Estudos de imagem cerebral indicam que está associado a uma disfunção neurológica de causa desconhecida que força os pensamentos em ciclos repetitivos. O pensamento obsessivo também pode estar associado a transtornos do humor, incluindo distimia, depressão, transtorno bipolar etc.

  1. Perfeccionismo

Caracteriza-se pela insistência em estabelecer padrões altos e pela busca incessante em alcançar esses padrões. E de fato, os perfeccionistas muitas vezes têm alto desempenho – mas o preço desse sucesso pode ser a infelicidade e insatisfação crônicas. Pode estar fortemente ligado ao medo de errar e a comportamentos de auto sabotagem.

Sintomas físicos da ansiedade:

  1. Sintomas físicos

Nos momentos de ansiedade, podem surgir sintomas físicos como tremores, cansaço fácil, sensação de falta de ar ou asfixia, coração acelerado, suor excessivo, mãos frias e suadas, boca seca, tontura, náuseas, diarreia, desconforto abdominal, ondas de calor, calafrios, micção frequente, dificuldade para engolir, sensação de engasgo etc.

  1. Problemas digestivos

Um sistema muito afetado pelo estresse e ansiedade é o gastrointestinal. Dores, má digestão, mal-estar no abdômen, diarreia e azia são alguns desses sinais que podem causar incômodo. Ansiedade excessiva e estresse agudo podem alterar as funções gastrointestinais por meio do sistema nervoso. Assim podem surgir úlceras, gastrites, doenças inflamatórias, refluxo gastroesofágico e síndrome do intestino irritável.

  1. Medo de falar em público

Somente ao pensar na necessidade de realizar uma apresentação para uma plateia, sinais como: sudorese excessiva, mãos geladas, taquicardia, falta de ar e respiração ofegante aparecem.

  1. Tensão muscular

Estão sempre com dores nas costas, ombros e nuca. Os músculos do pescoço estão travados e a dor é tanta que mal dá para virar de lado. Essa tensão muscular quase constante, geralmente acompanha os transtornos de ansiedade. Quanto maior a preocupação e o desanimo, maior a possibilidade de transferir as tensões para a região cervical.

  1. Assaltar a geladeira

Não faltam casos de pessoas que encontram na comida uma solução para seus problemas emocionais. Ao menor sinal de preocupação a pessoa recorre ao brigadeiro, a um docinho ou qualquer outro alimento para aliviar a tensão. Em geral mastigam pouco o alimento, e ingerem grande quantidade de comida em pouco tempo.

E de que forma a ansiedade afeta a vida pessoal e profissional?

Os transtornos de ansiedade são entendidos como as doenças mais debilitantes que existem, durante as crises, as pessoas acometidas podem simplesmente desistir de fazer tudo.

As preocupações e medos excessivos atrapalham até mesmo atividades simples, como conseguir sair de casa para chegar ao trabalho. Além disso, o rendimento do profissional não é o mesmo quando ele enfrenta dificuldades, como a fadiga mental e a insônia.

A vida pessoal também é afetada, a pessoa se recusa a sair com os amigos por causa do medo excessivo, pode ser medo de dirigir, frequentar lugares fechados ou de ser criticado pelos outros. Até mesmo o relacionamento familiar se torna mais difícil para o paciente ansioso.

Dicas para controlar a ansiedade

  1. Psicoterapia

É um tratamento colaborativo baseado na relação entre um indivíduo e um psicólogo. Com base no diálogo, ele fornece um ambiente de apoio que permite falar abertamente com alguém que é objetivo, neutro e sem julgamento. Você e seu psicólogo trabalharão juntos para identificar e mudar os padrões de pensamento e comportamento que o impedem de sentir o seu melhor.

  1. Música

A música ajuda a relaxar, extravasar, expressar, dançar, celebrar, interiorizar, descansar e muito mais. Ela é um elemento terapêutico por excelência. É algo medicinal e sem contraindicações.

  1. Alimentação

Algumas vitaminas são necessárias para a formação de neurotransmissores que estimulam o humor, enquanto outras fornecem energia para células cerebrais ou as protegem de danos. Um cérebro saudável é a primeira linha de defesa contra a ansiedade, depressão e outros transtornos do humor.

  1. Meditação

Cinco minutos diários para observar a respiração já são eficientes para o começo. Neurocientistas já comprovaram que a prática da meditação ajuda a aumentar a região do cérebro responsável pelo sentimento de felicidade.

  1. Exercícios

Caminhadas, corridas ou qualquer atividade física que te proporcione prazer. Atividade física realizada de forma regular ajuda a fortalecer o sistema imunológico, prevenir doenças cardiovasculares e obesidade. Aumenta o bem-estar, a disposição para atividades do dia a dia e a produtividade no trabalho, além de diminuir a insônia e melhorar a saúde mental, prevenindo a depressão. As artes marciais ajudam no relaxamento, na autoestima e contra a depressão.

Gostou do texto? Aproveite para conferir os outros artigos do nosso blog!


Responder

Your email address will not be published. Required fields are marked *


WhatsApp chat